Arquivo | setembro, 2012

O tal E-reader

14 set

E aí gente? Faz tempo que eu não escrevo por aqui então me perdoem por isso. O curso anda meio corrido e fica difícil achar tempo pra postar. Também não quero ficar atulhando o blog de baboseiras só pra falar que estou postando.

Mas hoje achei um assunto relevante.

Vamos falar de E-Readers.

Bom, eu sempre fui meio contra o E-Reader. Como todo viciado em livros, eu gosto de sentir o cheiro, gosto de sentir o peso, de virar a página e de ter uma biblioteca em casa. O livro eletrônico sempre me pareceu meio… frio.

Eis que eu mudei pro Canadá e meu ritmo de leitura não mudou. Aliás, é capaz até de ter aumentado, porque aqui tem todos os títulos que eu quero por um preço muito mais baixo. EU comecei a comprar livros, um atrás do outro, sem me preocupar com o espaço na minha casa.

Vamos esclarecer uma coisa. Eu sou uma estudante, morando em Dowtown Vancouver, o que basicamente significa que eu moro em um apartamento pequeno. Claro, no Brasil eu tinha espaço pra livros, mas aqui fica muito, muito difícil. O que fazer então? Ler menos? Entulhar a casa? Acho que meu namorado não ia gostar muito de se desviar de livros pra pegar uma cerveja na geladeira.

Outro ponto: recentemente conversamos com uma mulher que recruta pessoas para estúdios como a ILM, Pixar, Dreamwors, Digital Domain, etc. Uma coisa que ela disse me chamou atenção: “live light”. Ou seja, vocês podem ser contratados para morar em qualquer lugar a qualquer minuto, então não fique carregando duzentas mil coisas com  você nesse seu começo de carreira.

No meu caso, se eu for mudar para qualquer lugar agora, ou mesmo voltar para o Brasil, vou ter que enviar pelo menos 6 caixas grandes de livros antes de mim. Isso não é prático e eu posso acabar tendo que deixar livros pra trás, coisa que partiria meu coração.

Pensando nisso, eu comprei um Kobo, um E-Reader de formato aberto, feito por uma empresa canadense. Estava meio desconfiada, mas desde que o comprei (faz menos de um mês) já li três títulos e estou super satisfeita. A verdade é que o E-Reader é meio que como alugar um filme: você não compra o Blu-Ray de um filme que não viu ainda e não sabe se é bom. Se você alugar um filme e se apaixonar por ele, saia e compre a edição especial.

O E-Reader é feito para ler. Eu comprei o mais simples possível: não é tablet, não é telefone, não é porcaria nenhuma exceto um livro digital. Querem saber as vantagens? Se eu estou lendo a noite e de repente termino meu livro, basta eu conectar ao meu computador, comprar outro e começar a ler. Faço isso em 2 minutos. Ah, e os preços! Você consegue comprar ótimos livos por 5 dólares, as vezes até 99 centavos!

EU ainda vou à livrarias porque gosto do ambiente. Ainda vou à biblioteca porque adoro estar cercada de livros. Compro edições especiais, livros “Art Of” e tudo mais , porque esses não dá pra ter no Reader.

Mas a verdade é que eu posso ler a mesma quantidade de livros (ou mais) sem me preocupar com o espaço que estão ocupando. A realidade é triste, vivemos em um mundo onde não temos tanto espaço, mas eu não precisei sacrificar nada dos meus hábitos de leitura, e isso é maravilhoso.

Um amigo meu me indicou um texto onde o autor comprou um reader e disse mais ou menos isso: “eu achei que gostava de peso de livros, de virar páginas, de sentir o papel nos dedos. Mas depois de ter um Kindle, descobri que eu gosto mesmo é de ler”.

E isso é verdade para mim também!

Anúncios